Mercure Iguazú Hotel Irú: Paz e conforto em meio a natureza

385

Em setembro, a convite do Mercure Iguazu Hotel Iru, fui viver uma experiência hoteleira em um local que fica no meio da selva Iryapu, em Puerto Iguazú. No caminho, uma paz tomava conta ao adentrar a floresta. Nem parecia que estava a menos de dez minutos da cidade. Os barulhos e a fumaça de automóveis desapareceram totalmente e fizeram sumir qualquer estresse.

 

 

Ao chegar, fui encaminhada ao meu quarto. E que aposento! A varanda dava direto para a piscina, com a selva em volta, e a chuva que caia não atrapalharia nadinha o descanso que ali eu teria.

Logo após, fui recebida pela gerente-geral – que trabalha na rede há quatro anos e comanda o hotel faz dois anos e meio –, Verónica Obregón, que nasceu em Buenos Aires, capital da Argentina, e se apaixonou pela vida calma na Tríplice Fronteira. “Sendo uma pessoa que nasceu e se criou em uma cidade grande, ter a possibilidade de aprender com a natureza em outra cidade, outros costumes, é muito lindo. Agora já não sei mais se quero voltar”, contou, apaixonada, sobre seu local de trabalho.

 

 

Gastronomia variada

O restaurante do hotel – aberto ao público – dispõe de cardápio variado, agradando a todos, inclusive com pratos para veganos e celíacos. As opções são muitas, como mix de peixes dos rios da região, as famosas carnes argentinas – entre elas o típico bife de chorizo –, pratos internacionais, pasta caseira e uma carta de vinhos esplêndida, somente com produtos de adegas do país.

 

Na ocasião, fui recebida pelo chef Oscar Espindola – que trabalha lá desde a abertura do Mercure. Claro que, com os 24 anos de experiência na área de gastronomia, a sugestão tinha de vir dele. “Meu menu é montado de acordo com a temporada, com um toque gourmet”, afirmou o elaborador da carta de comidas.

Hora de degustar! Oscar trouxe a tábua do litoral, na qual os petiscos são todos da região e pode servir até três pessoas. De prato principal, bife de chorizo e pacu grelhado. O chef fez questão de que eu degustasse o talharim com legumes. Que delícia!

 

 

Para a sobremesa, mousse de erva-mate e creme brûlée com sorvete e frutas do bosque.

Hotel da natureza

Depois daquele almoço e de descansar com o som vindo das árvores, era hora de curtir uma jacuzzi com vista para a selva. Chegando ao centro do spa, a recepcionista me conta que Verónica havia deixado preparado um mimo: uma minifacial com esfoliação e hidratação de chocolate.

 

 

E foi sensacional aquela sensação de pele hidratada e logo depois entrar na banheira de hidromassagem tomando um bom vinho argentino. O spa também é aberto ao público que não está hospedado no hotel.

 

 

Depois do jantar, era hora de dormir. Já no outro dia, nada melhor que a presença do Sol para finalizar a estada de forma perfeita. Era o momento de aproveitar a área externa. A piscina com borda infinita é extraordinária, assim como a jacuzzi – que tem próximo outro restaurante, para lanches mais rápidos e bebidas.

 

Pude constatar que, faça chuva ou faça sol, a experiência vivida naquele lugar sereno é incrível.

 




Deixe um comentário